quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Que fim levou Robin? - Aqui não tem Chanel (álbum)

Capa

Antes de falar no projeto musical do grupo Que fim levou Robin? precisamos entender o contexto melódico ao qual ele pertencia. É necessário conhecer a estética musical de outros artistas semelhantes como os americanos do Deee-lite com as músicas “Groove is in the heart” e “Power of love”, os ingleses do projeto S´Express com as canções “Theme from express” e “Superfly guy”, as brasileiras do grupo Frenéticas e os sucessos “Perigosa” e “Dancin days”, os dinamarqueses do Aqua e os hits “Barbie Girl” e “Doctor Jones”, o grupo belga chamado Plaza que agitou a galera cantando “Yo-Yo” e “Hey-hey-hey”, entre outros exemplos musicais, que também divertiram o povo nos clubes. Portanto, o QFLR? não estava sozinho e não fazia parte de um delírio urbano. Seguindo a mesma linha de pensamento, é importante observar o movimento da Disco music e suas divas, o conceito de Dance music e o desenrolar da vida noturna nos clubes pop/alternativos mais descolados no mundo na década de 90. Pronto!
Encarte 

Agora sim, colocando as cartas na mesa, as pessoas poderão entender a proposta e a estética musical do grupo brasileiro QFLR?, independente de crença, cor, opção sexual, idade, classe social e todos aqueles conceitos e preconceitos, que a sociedade adora ficar se comparando e se menosprezando. Portanto, não adianta falar do grupo QFLR? fora de uma explicação sobre o meio artístico ao qual ele nasceu.
Contracapa

O projeto Que fim levou Robin? é reconhecido como o primeiro grupo comercial brasileiro, 100% voltado para a Dance Music e música eletrônica. Sabe aquelas pessoas que trabalham o dia inteiro, ouvem todo tipo de lamentação e safadezas sociais, a corrupção política e as demais bobagens que se passam na sociedade? Pois é, existe um momento em que as pessoas dizem: Agora chega! Eu quero sair, beber, dançar e me divertir por algumas horas, sem ter a preocupação de ouvir canções voltadas para problemas sociais ou discurso de palanque! Então, era nesse momento que entrava em cena a diversão e a proposta musical do grupo Que fim levou Robin?
Detalhe do encarte

História

Em 1991 a gravadora WEA/Warner surpreendeu muita gente ao lançar no mercado brasileiro, um disco simples de um grupo desconhecido com o título Aqui não tem Chanel, contendo apenas oito canções. Aliás, a proposta do QFLR? além de não seguir os padrões musicais tupiniquins (baixo-guitarra-bateria-percussão), ao mesmo tempo abraçava todos os tipos de público, que se esbaldavam nas pistas de dança e pouco se importavam se os garotos não eram mais garotos ou se as garotas não eram o que deveriam ser.....
QFLR? em 1991. Imagem reprodução

Formado pelo Dj Mauro Borges, com a participação do Dj Renato Lopes e as backing vocals Bebete Indarte e Claudia, o QFLR? utilizava os apetrechos tecnológicos disponíveis no país, de acordo com a habilidade e conhecimento de seus integrantes e apoiadores. Em sua estreia, o grupo apresentou um álbum com letras provocativas, bem-humoradas e de duplo sentido. Ou, como a jornalista Erika Palomino escreveu em seu livro chamado Babado Forte, lançado em 1999, pela editora Mandarim...

“...o grupo estava inspirado na estética do Deee-lite, no vídeo da música Deep in Vogue (de Malcolm Mclarem), na estilista Coco Chanel, na Madonna e no conceito “faça-você-mesmo” da cultura clubber....”,

Parte da cultura "clubber" tinha uma atitude musical, independente daquilo que a sociedade conservadora e doutrinada pensava ou deixava de pensar.
Dj Mauro Borges

As canções "Que fim levou Robin?" e "Aqui não tem Chanel" foram aceitas pelo público e o grupo conquistou fama nos clubes e nas principais emissoras de rádio pelo Brasil. O disco que teve a produção de Dudu Marotte, também registrava uma ótima releitura da canção "Dancing Days" das Frenéticas, que foi gravada originalmente em 1978, no auge das discotecas.
Dj Renato Lopes

Muitos fãs, Djs, colecionadores e parte da crítica musical atualizada, consideram o disco importante para Dance Music brasileira. Aliás, é um trabalho musical que todo o Dj brasuca deveria ter e conhecer. A equipe do blog lembra que na época de lançamento, o disco Aqui não tem Chanel do grupo QFLR?, preenchia um espaço vazio no meio de migalhas e remixes nacionais produzidos até então por meia dúzia de DJs brasileiros, apenas. 

O disco possui as seguintes faixas:

LADO A
2- Tia  3´27
4- O rei e a rainha do shopping 3´30

LADO B
2- Sei lá não sei o que 3´32
3- Objeto de uso pessoal 4´08
4- A última caçada  4´35

* Além de ter sido lançado em vinil e em CD, na imagem seguinte podemos ver que o disco também foi editado em  fita K-7.
** A versão digital em CD possui uma faixa bônus com o remix da canção Aqui não tem Chanel (The sapucai mix).
Capa
Contracapa

*** Em 2014 foram lançados onze remixes da canção Aqui não tem Chanel. Para rever a resenha já postada pelo blog, clique aqui!

**** Ao clicar no link em destaque, (Programa batendo o prato / Mauro Borges) o internauta poderá ouvir e assistir a uma entrevista com o Dj Mauro Borges que conta detalhes de sua carreira e o trabalho do grupo.

***** Em outro link disponível no Youtube, o internauta poderá ouvir a participação do (QFLR no programa Novas Tendências), apresentado por Jose Roberto Mahr em 1991.

Quem nunca brincou de hedonismo?

“Abra as suas asas,
Solte suas feras,
Caia na gandaia,
Entre nessa festa....
Me leve com você,
Pro seus sonhos mais loucos..........”

As palavras em destaque fazem parte da canção “Dancing Days do grupo Frenéticas, que se tornou hino nos clubes e nas festas pelo Brasil. A composição exemplifica muito bem o que poderíamos chamar de momento “hedonista” do ser humano na pista de dança. Segundo psicólogos, a letra da música reflete (consciente ou inconsciente) uma atitude de celebrar o prazer supremo, o devaneio, a curtição ou até mesmo algo superficial e “politicamente incorreto”, como estilo de vida.

Da mesma forma que existem canções voltadas para o discurso de palanque, o protesto político, as mazelas sociais, a futilidade, o saudosimo entre outros; também pode ser observado a combinação de frases com influência “hedonista” em diversas composições musicais nacionais e internacionais. Na mídia tupiniquim (Rádio / jornal / revistas e TV)* a pessoa (profissional ou não) que falava sobre música, geralmente não possuía um olhar holístico sobre a musicalidade e suas variações como um todo. Quem perdia com isso era o público que formava uma opinião crítica limitada

Geralmente, quem falava de rock, somente escrevia sobre grupos de música roqueira. Quem falava de sertanejo, só opinava sobre os artistas da linha musical sertaneja. Quem falava sobre Dance Music só sabia dizer se era bom ou ruim e assim sucessivamente. Refletir sobre conceitos musicais envolvendo vários estilos, era muito trabalhoso e até parte do público consumidor não conseguia compreender o óbvio. Imagine então entender aquilo que os seres humanos faziam e cantavam no seu dia a dia?

É claro que, passados 25 anos, muita gente vai torcer o nariz e dar gargalhadas ao assistir alguns vídeos espalhados na internet com apresentações do grupo QFLR? ao vivo. Alguns, inclusive, posteriormente viraram motivo de piada. Mas, tudo faz parte de uma estética dançante que existia lá no final do século passado. O grupo nunca foi uma superbanda musical produzida por mega produtores especializados. Era tudo feito de acordo com o dinheiro, o conhecimento e a tecnologia brasileira disponível, na época.

Por isso, que entre cobras e lagartos na cena musical mundial, a equipe do blog resgatou aspectos musicais hedonistas, que são inconscientemente praticados na composição de várias canções e estilos, desde "Start me up" dos Rolling Stones, passando por "Twist and shout" dos Beatles e chegando até o "Camaro amarelo" da dupla Munhoz e Mariano. De forma provocativa, para algumas pessoas a composição do QFLR? pode ser considerada fraca, mas todo mundo no meio musical tem culpa no cartório! Debaixo dos caracóis dos seus cabelos pode ser muito bom para caetanos da vida, mas, quem sabe, se não é dos carecas que elas gostam mais?

* (Não havia internet naquela época!)

** Agradecimento especial ao Dj Benno que colaborou com algumas imagens para ilustrar a postagem de hoje.


*** Se alguém ainda não entendeu o conceito de música + estilo + moda + atitude + dança do grupo Que fim levou Robin?, a equipe do blog selecionou um vídeo internacional do projeto Off-Shore com a música I can´t take the power que mostra "explicitamente" qual era a vibe dançante da galera descolada, que frequentava os clubes entre 1988 e 1991. Alguém poderá dizer: - Ahh mas é apenas uma dancinha!? - Mas ninguém disse que era diferente! Quem procura música de discurso ou música de palanque tem que voltar pra ditadura na década de 60!  

**** Essa resenha foi postada bem no dia de comemoração da independência do Brasil em 2016. 

Nenhum comentário: