sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Paralamas do Sucesso - Ska remix (Single promocional - Item de colecionador)

Os Paralamas do Sucesso em 1984 / Reprodução

Em virtude da confusão de interpretação de leitura de alguns brasileiros que ainda não sabem a diferença entre streaming (plataforma para ouvir arquivos de áudio ou vídeo) e downloading (link para baixar arquivos de áudio ou vídeo sem autorização), estamos repostando a resenha do single da canção “Ska”, da banda Os Paralamas de Sucesso.

Recentemente, o blog foi alvo de denúncia de pirataria, pela interpretação equivocada de estar divulgando a canção em downloading.

Na verdade, para quem ainda não percebeu, o Brasilremixes possui o layout da página igual ao layout dos blogs de compartilhamento de músicas piratas. Talvez por esse motivo, o blog tenha sido alvo de denúncia. Quando na verdade, no lugar do downloading estava um link de streaming direcionado ao Youtube para que os leitores do blog pudessem ouvir as canções. Só isso! 

A estrutura do blog é séria, mas a equipe optou por fazer uma brincadeira. É como se vestir de diabo sem ser o diabo. Ou como se vestir de pastor sem ser pastor de igreja. Mas pelo visto, houve leitores que não entenderam. Enfim, refazendo a postagem, segue a resenha originalmente divulgada em em 2012.

O blog Brasilremixes  mostra o que a maioria dos artistas e suas gravadoras não informam aos fãs e ao público consumidor. Para confirmar essa constatação, basta dar uma olhada na qualidade dos sites dos artistas brasileiros em geral. A valorização e preocupação com o trabalho o artístico é tão superficial, que muitos cantores/bandas não possuem uma página na internet, ou o endereço está abandonado, ou muitos daqueles que possuem as informações, apresentam conteúdo simplório. (sic)

Hoje relembramos o single promocional da música “Ska” da banda carioca Os Paralamas do Sucesso. Este single se transformou num item de colecionador,  pois foi editado em vinil 12” na cor amarela e distribuído para algumas emissoras de rádio, pela gravadora EMI Odeon, em 1984. Tanto na época de lançamento quanto nos anos posteriores, a música fez sucesso e quase sempre tocava no play list nacional de muitas festas e casas noturnas espalhadas pelo país. Este single traz a canção “Ska” na versão original e na versão longa (long version).

Origens 

É importante saber que na concepção inicial do formato de remix, a versão da melodia com maior duração da versão original, era muitas vezes chamada de remix. Na verdade, diversos remixes de músicas brasileiras produzidos na década de 80 nada mais eram do que versões mais longas da melodia original. Atualmente a conotação dançante para o remix é outra, mas a maior parte do público brasileiro precisou de um tempo para assimilar esse entendimento. Afinal, não foram os brasileiros que inventaram a proposta do remix. Os artistas apenas seguem uma brincadeira importada de outras civilizações.  

Pesquisadores informam que o conceito de remixagem musical surgiu na década de setenta. Naquele período, a estética do remix foi impulsionada pelos hits da Disco-music americana, onde alguns DJs que agitavam a galera nas discotecas não gostavam de repetir a mesma música várias vezes durante a festa. Para resolver essa situação, Djs e produtores começaram a editar alguns singles promocionais com as músicas de maior sucesso. As canções eram transformadas em versões mais elaboradas e com um tempo de duração maior. A melodia original que tocava nas rádios possuía um formato reduzido de dois a três minutos de duração. As versões “ditas remixadas e dançantes", eram mais longas e possuíam de cinco a dez minutos de duração, para que a galera pudesse curtir e dançar a melodia por mais tempo. A solução evitava que os DJs tivessem que repetir a mesma canção durante a festa.

 O single apresenta as seguintes versões: 

LADO A 
1- SKA - versão original 2´30

LADO B

1- SKA - versão longa 3'59


* Na época de lançamento desta canção, um dos destaques foi a ótima performance do baterista João Barone.

** A versão apresentada no lado B do disco também é popularmente conhecida como versão remix.

*** Com sorte é possível comprar este single em sebos, lojas de discos usados, com DJs aposentados, colecionadores ou talvez entrando em contato com alguma emissora de rádio no Brasil que encerrou suas atividades.

****Agradecimento especial ao DJ Carlos Pereira por ter fornecido as imagens para ilustrar a postagem.

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

RPM - A cruz e a espada remix (single promocional - Item de colecionador)

Detalhe do single 

Atenção! Existem informações incompletas e desencontradas em vários sites do Google, a respeito da música "A cruz e a espada". Por isso, A equipe do blog fez uma pesquisa minuciosa e constatou que essa canção possui alguns detalhes interessantes.

- Em 1985, a versão original foi lançada pela gravadora CBS (atual SONY) no álbum Revoluções por minuto, da banda RPM.

- Também em 1985, a versão original foi incluída no “lado B” do single promocional, junto com o remix da canção “Olhar 43”, que na época era outro sucesso da banda RPM.

- Em 1986, a música “A cruz e a espada” ganhou remix próprio e foi lançada em single promo individual.

- Ainda em 1986, foi distribuído outro single promocional, apresentando as canções “A cruz e espada e “Olhar 43”, gravadas ao vivo. As versões são iguais ao álbum ao vivo da banda, que também foi lançado naquele ano.
RPM em 1986 / imagem reprodução

Como já mencionamos, a versão remix foi distribuída de forma promocional em 1986, mas apenas em 2008 foi incluída oficialmente no CD “Remixes e Raridades” que acompanha o box comemorativo RPM 25 anos. É importante saber que infelizmente, nem todos os remixes de vários artistas brasileiros foram oficialmente lançados. Muitos ainda permanecem enclausurados no tempo, como faixas promocionais.

“A Cruz e espada” é uma canção juvenil com sotaque New-Bossa* e tonalidade harmônica épica. Após o lançamento do disco de estreia da banda, a canção A cruz e a espada se tornou uma das musicas românticas brasileiras mais executadas pelas rádios em sua programação. Aliás, a letra da canção não possui nada de romântico. Ou seja, a faixa apresenta uma melodia contemplativa que ganhou contornos românticos numa época em que para parte do Brasil confuso, música pop calma, era sinônimo de música romântica.

A versão remix não transformou a canção num hit dançante para os clubes. Pelo contrário, Luiz Schiavon (tecladista da banda) e Luiz Carlos Maluly (produtor), preservaram a linha melódica tranquila e deram apenas uma sofisticada de leve, ao utilizar solos de clarineta** sobrepostos ao longo da canção.

O single registra apenas um remix em ambos os lados.
Detalhe do single

* New-bossa era forma com que algumas pessoas chamavam a Bossa Nova, lá nos anos 80. Atualmente é chamada de “Nu bossa”. “Nu” é o modo reduzido de “Neu”, que significa “novo”, e também possui o mesmo entendimento que “New”. A mesma linha de raciocínio serve também para as palavras “REMIX” e “RE-MIX” que significa a mesma coisa. Muda-se apenas a forma de escrever.

** Na versão remix, a clarineta foi tocada por Roberto Sion e o violão por conta de Luiz Carlos Maluly. Alertamos os internautas para não confundir o som produzido pela clarineta / clarinete, com o som produzido pelo saxofone.

domingo, 7 de outubro de 2018

Fernanda Abreu - Sla Radical Dance Disco Club (álbum)

Capa

I Parte (Situando os leitores)

Falar do disco de estreia da cantora Fernanda Abreu é fácil. Complicado é fazer com que as novas gerações juntem as peças do quebra-cabeça da cena musical brasileira, na época em que o álbum foi lançado.

Estávamos no início da década de noventa. Parte do público que tinha dinheiro e interesse para usufruir um pouco da diversão musical disponibilizada pelos nightclubs e danceterias brasileiras, ou até mesmo aquelas pessoas que tinham contato com a moda musical  mundial, se esbaldavam nos clubes ao som de:
Madonna – Vogue
Technotronic – This beat is tecnotronic e Pump up the jam
Mc Hammer – U Can't Touch This
49-ears – Touch me
Snap – The power
Black box – Everybody Everybody
Deee Lite - Groove Is In The Heart
C+C Music Factory - Gonna Make You Sweat (Everybody Dance Now), entre outras músicas de vários cantores(as) americanos e europeus.

Mas cadê os artistas dançantes brasileiros?

Não somente a classe musical, como grande parte da população no país, nem sabia o que era Dance Music, House, Techno e os mais diversos estilos musicais eletronicamente formatados, que agitavam as pistas de dança de respeito, naquela época! Na prática, Dance Music para a intelectualidade brasileira, era coisa de gente estranha que frequentava lugares doidos e ambientes mal iluminados, que eram vistos muitas vezes, como politicamente incorretos. Vale lembrar que nesse período, a Disco Music já era uma referência do passado. Portanto, a nova ordem musical dançante se chamava de “Dance Music”.

Uma outra questão pertinente ao assunto, se refere ao fato da posição geográfica do Brasil estar no meio do caminho. (???? como assim? - Estados Unidos-Brasil-Europa). Com exceção de meia-dúzia de remixes perdidos entre vários artistas brasileiros, o Brasil não produzia nada dançante para os clubes, dentro do conceito eletrônico, da mesma forma como já era amplamente trabalhado nos hits musicais internacionais. Então, para suprir essa falta de música brasileira dançante, aproveitávamos (e continuamos aproveitando) todas as musicas dançantes e os sucessos disponibilizados pelos artistas gringos. Tanto da escola melódica americana como da escola musical européia. Ou seja, cantando ou não cantando em português, e, graças ao trabalho de inúmeros djs, naquela época já existia uma cena dançante forte nos clubes, nas danceterias, nas festas e em alguns programas de rádio pelo Brasil, que eram agitados por canções internacionais produzidas e formatadas dentro de uma estética musical, para proporcionar muita diversão.
Fernanda Abreu (ao centro) época da banda Blitz /imagem reprodução

Herança conformista e escravidão musical no meio artístico nos anos 80

Descartando regionalismos, folclore e desejos musicais ideológicos que satisfaziam outro tipo de público; é importante observar que enquanto a cena jovem brasileira era doutrinada pela cartilha musical do rock, o público adulto era dominado pela MPB. Entre os fatores que justificam esse entendimento, podemos citar a chantagem mercadológica institucionalizada do “fazer música para vender dentro de uma proposta óbvia”. Isto é, ou os artistas seguiam essa regra do jogo musical ou os artistas eram boicotados. Tanto pelos consumidores doutrinados, quanto pelas gravadoras que só queriam lucrar pelo pastelão musical enfadonho e repetitivo. E olha, que nem vamos citar toda a publicidade - direta e indireta - que era jogada na cara da população através de filmes, seriados, novelas, jornais e revistas de todo o tipo, que atuavam em favor do Rock e da MPB. 

Nessa análise, também existe a seguinte constatação:

De um lado havia o público de conhecimento raso e tradicional, que se deixou domesticar por um estilo musical único. E, do outro, como as gravadoras/mercado perceberam as limitações do público brasileiro, então para sobreviver num mundo capitalizado, se aproveitaram da situação e não aceitavam ou não investiam em outros seguimentos musicais, para não ficarem no prejuízo. Portanto, se o público doutrinado queria sangue, as gravadoras vendiam sangue. Se o público doutrinado queria chuchu, as gravadoras vendiam chuchu, justificavam os defensores do mercado. Esse entendimento, inclusive, é regra nos cursos universitários de administração de empresas. Ou seja, a lucratividade é fundamental para manter um produto no mercado. Se não der vantagem financeira, tchau, tchau baby!

Independente de ser bom ou ruim, pra quem gostava de rock ou MPB era um excelente negócio. Afinal, quanto mais rock e MPB, melhor seria para garantir a lucratividade, fidelizar (escravizar) o público e satisfazer o ego pessoal em detrimento de todos os outros estilos musicais. Aliás, esse entendimento também é válido para todos os tipos de música.

A equipe do blog lembra que moda é uma coisa bem diferente de doutrina, e um exemplo clássico para ter um pouco de noção a respeito disso, é assistir ao filme sobre a vida do cantor CAZUZA. Em uma das cenas do longa-metragem, o cantor quebra o quadro com o disco de ouro, que recebeu pelas vendas do seu álbum, dizendo: “...100 mil pessoas ouvindo a mesma coisa...”

Vale registrar que a cena musical brasileira nos anos 80 era exuberante, porém desde que fosse dentro da escola do rock ou da MPB. Até poderíamos escrever um livro a respeito dessa situação, mas indo direto ao que interessa, agora vamos voltar aos anos 90 e falar sobre o disco de Fernanda Abreu.
Encarte 1
Encarte 2
Encarte 3
Encarte 4
Fernanda Abreu em 1990 / imagem reprodução

Parte II - Seja bem-vindo anos 90!

Apesar das limitações técnicas desse trabalho, a equipe do Brasilremixes é fã desse álbum, e sabe que se trata de um dos discos dos anos noventa, mais esperados pelos leitores do blog.

Sla Radical Dance Disco Club possui uma atmosfera levemente underground e descolada dos padrões musicais doutrinários, que se perpetuavam no país. O álbum foi lançado em 1990 pela cantora Fernanda Abreu (Ex-banda Blitz), sendo  produzido por Herbert Vianna (Paralamas do Sucesso) e Fabio Fonseca, com direção de Jorge Davidson.

“A tarde cai
A noite vem atropelando
Todos os chatos desanimados
Tá na hora de acordar e sair
E ver que a vida é se divertir
A noite é negra
E os holofotes vasculham
Toda essa escuridão
À procura de um lugar ideal
Pra dançar e barbarizar
Dance.....”

Detalhe da letra da canção “A noite”, que foi carro chefe de um disco, que abriria as portas da música pop brasileira para a Dance Music cantada em português.

O álbum apresenta as seguintes canções:

Disco Club 1 (Abertura) 0:28

Análise: Como o próprio nome diz, trata-se de uma vinheta de abertura do disco. Na época a ideia da vinheta era comum nos programas de rádio e, até em algumas danceterias, os djs faziam uma abertura especial com show de luzes na pista de dança e com pedaços de músicas (medley) conhecidas do público, para dar um incentivo para galera dançar. Ou seja, literalmente, a vinheta era o aviso pra chamar a galera dançar. Fernanda Abreu percebeu essa característica e trouxe para o disco um pouco da atmosfera que rolava nos clubes, até então pouco conhecidos da grande massa. No tempo atual ainda existe esse conceito de abertura das festas com superprodução, jogo de luzes, teatro e raio laser para criar uma boa expectativa entre o público festeiro.

1- A Noite 4:38

Análise: Fernanda Abreu é uma guerreira! Pouco dinheiro, muito glamour e a sensação de flashes e holofotes clicando a multidão, era o chamarisco perfeito pra galera “causar” e ser vista. A letra da música descreve de forma bem clara, o pensamento de muitas pessoas que procuravam diversão, companhia e um lugar para dançar e barbarizar. Na introdução da melodia temos um clima de suspense que era característico em algumas músicas dançantes naquele período. A linha de baixo sintetizado uniforme e o charme dos teclados fizeram toda a diferença na estrutura de uma das canções de maior sucesso da cantora. Infelizmente, o remix editado em single promocional não empolgou os fãs e clubbers em geral. Em 1994, o Dj Memê editou um ótimo megamix da cantora com o que poderíamos chamar de remix de respeito pra canção A noite. Esse megamix  deixou os fãs em estado de alerta, na espera pelo remix completo que ainda não foi lançado. Lamentável.
OBS: (não podemos mais colocar links de streaming no blog, porque algumas pessoas com problema de interpretação de texto confundem link de streaming (audição) com link de baixa de arquivo (download). Então para ouvir o megamix e entender sobre o – pedaço - de remix que estamos falando, sugerimos procurar a faixa no site do Youtube).

2- Sla Radical Dance Disco Club 2:54

Análise: Respeitamos a proposta de Fernanda Abreu, que estava envolvida com a cena roqueira e ao mesmo tempo, se divertia com a galera dance. Não é fácil para um artista administrar e sobreviver entre dois mundos com pessoas, jornalistas e músicos que disputavam as atenções do público para satisfazer ao seu interesse. A equipe do blog gosta de músicas longas porque nós pensamos na pista de dança e não apenas no rádio. O tempo dessa canção faz parte do conceito musical da velha guarda. Lá nos anos 50/60 onde a maioria das canções durava dois minutos e meio e eram perfeitas para tocarem dentro da proposta radiofônica. Enfim, na falta do que cantar, se preenche com a melodia. Na falta de melodia, se preenche com a letra da canção. Mas, fazendo vista grossa para esse detalhe, a equipe do Brasilremixes entende que a estrutura da música Sla radical dance disco club é bem interessante. Ela se divide entre a cadência dance tradicional (tum-tis-tum) que o povo clubber adora, e a combinação habilidosa do suingue Funky americano do cantor Prince, ao qual uma porcentagem artística do Brasil (especialmente no Rio de janeiro) curtia na época. Lembramos que essa pegada mais Funky era característica da cena carioca. Vários clubes pelo Brasil nem tocavam Prince e nem tocavam Funky. Aliás, nem dava tempo, com tantas outras canções internacionais mais dançantes e mais festivas. Ou seja, Prince é uma influência dessa fase da cantora e de certa forma representava o dance da galera roqueira que não admitia músicas dançantes que não tivessem riffs de guitarra.

3- Kamikases Do Amor 4:17

Análise: Temos aqui uma canção pop ótima para programas de rádio. Também foi editada em single promocional, apresentando remixes produzidos pelo Dj Irai Campos, que já foram postados pelo blog. Para rever, clique aqui!

4- Luxo Pesado  4:29

Análise: Tanto quanto nos anos anteriores, a década de 90 foi uma época onde os artistas expressavam e aproveitavam seu talento musical em várias áreas. Música pop, música romântica, dançante, etc...Porém, no cenário atual (pós 2000) a situação ficou um pouco mais restrita. A canção “Luxo pesado” é uma ótima releitura feita da versão original "Got To Be Real", de Cheryl Lynn.

5- Você Pra Mim 4:28

Análise: Outra música romântica da cantora que foi sucesso nas rádios das principais capitais brasileiras. Recomendamos.

6- Space Sound To Dance 3:04

Análise: Já comentamos que nosso objetivo é a pista de dança. Nessa canção não há o que tirar e nem colocar. Ela é 100% dance! Adoramos. O único detalhe é que a melodia ficou curta demais pra festa (pífios 3 minutos) e não foi lançado nenhum remix. Que desperdício!

7- Speed Racer  4:00

Análise: A melodia dessa música serviria muito bem numa trilha sonora de cinema.

8- Vênus Cat People 3:46

Análise: Os acordes de bateria eletrônica e o efeito de vocoder se encaixam de forma interessante nessa canção escrita por Fausto Fawcet. A interpretação vocal de Fernanda Abreu se manteve moderada e acabou deixando uma atmosfera de suspense no ar.

9- Disco Club 2 (Melô Do Radical) 2:18

Análise: Diríamos que essa faixa do álbum está mais voltada para um jingle/vinheta dando recado para o público sobre a proposta do disco.

10- Kung Fu fighting 3:52

Análise: Essa versão romântica que Fernanda Abreu fez para o sucesso internacional de  "Kung Fu Fighting", do cantor Carl Douglas, fecha o disco com chave de ouro. A proposta melódica de transformar músicas dançantes em canções românticas e vice-versa foi uma alternativa abraçada por vários artistas internacionais na primeira metade dos anos 90. Entre vários exemplos, podemos citar a canção “Nothing compares U 2”, escrita por Prince, cantada por Sinéad O´Connor e que ganhou uma versão dance de muito sucesso protagonizado pelo projeto Chip-notic. (Lá no Youtube tem.....)
Contracapa
CD

* O álbum Sla Radical Dance Disco Club foi lançado pela gravadora Emi-Odeon e editado em vinil, fita K7 e CD.

** Na sequência podemos ver as imagens do álbum editado em fita K7
Capa
Contracapa

*** Na imagem seguinte, podemos ver o detalhe do disco.
LADO A
LADO B

*** Poucos pessoas sabem, mas “S L A” são as iniciais do sobrenome de Fernanda. O nome completo da cantora é Fernanda Sampaio de Lacerda Abreu.

**** Não é fácil para Fernanda Abreu sobreviver no meio do fogo cruzado da mídia brasileira com seus interesses, suas afetações e ideologias musicais.

sábado, 22 de setembro de 2018

The Brasil EP - vários (compilação)

Capa

Estávamos em 2001 e a mídia popular sensacionalista atiçava o coro da multidão, ao propagar um discurso histérico na sociedade, que super dimensionava a expectativa de um futuro melhor. A ansiedade musical motivada pela busca de novos horizontes e de um novo conceito de vida social e cultural, acabou ficando de ressaca. Afinal, as mudanças sociais projetadas e a troca de ano/milênio (1999/2000/2001) não foram tão promissoras quanto se esperava que fossem. 
Interno

Nessa atmosfera, a gravadora TRAMA lançou no país o Cd “The Brasil EP”, com alguns artistas da cena musical tupiniquim, que estavam experimentando e trabalhando com um estilo eletrônico, até então pouco conhecido entre as massas. The Brasil Ep foi uma promissora compilação de músicas de Drum´n´bass, que também foi lançada na Europa pelo selo V Recordings. Esse produto acabou contribuindo para abrir as portas do mercado de música eletrônica para vários artistas brasileiros. Ou seja, naquele momento o mundo olhava para o país e perguntava: - O que vocês têm para oferecer de moderno pra gente dançar?
Contracapa

Nessa ordem e balançando as pernas como de costume, parte da área musical brasileira bairrista e estagnada, percebeu que precisava de algo mais. Então, diante de um cenário dividido entre a mesmice do passado e o desafio do tempo presente, o Brasil conseguiu ganhar respeito e chamar atenção dos gringos ao misturar Jazz, Samba e Bossa Nova com a energia do Drum´n´bass. Estava pronta a fórmula que iria garantir o passaporte musical do país, nas paradas de sucesso na cena eletrônica mundo afora.

Dizem os especialistas, que foi uma das poucas vezes na história musical do Brasil, que músicos e Djs produtores, falaram a mesma linguagem rítmica sem que a classe musical brasuca fizesse pose e cara de tola ao perguntar para as estrelas do além: O que qui é isso ?????!!! Que papo é esse de drumba o quê??? 

Apesar das canções terem projetado um sabor musical brasileiro contemporâneo para o mundo, não significa que tenham feito sucesso absoluto entre seus iguais. Dadas as proporções no Brasil, as musicas agitaram alguns programas de rádio e algumas festas direcionadas ao público que era simpático ao estilo do Drum´n´bass.

A ótima compilação possui as seguintes canções:

1 – Fernanda Porto - Sambassim (DJ Patife Remix) (Radio Edit) 4:12
2 – Fernanda Porto - Sambassim (DJ Patife Remix) (Full Version)  8:06
3 – Max de Castro - Carnaval (DJ Patife Remix) (Radio Edit)  3:53
4 – Max de Castro - Carnaval (DJ Patife Remix) (Full Version) 8:39
5 – XRS Land - Secrets Of The Floating Island 9:07
6 – Max de Castro - Samba Raro (DJ Marky Remix) 8:22
7 – DJ Marky - Tudo 6:12
CD

* Na sequência podemos ver as imagens do EP lançado em vinil 12” no mercado musical europeu., contendo apenas quatro faixas.
Capa
Contracapa
LADO A/B
LADO C/D

* Agradecimento especial ao DJ Felipe Diciena, por ter disponibilizado as imagens que ilustram a postagem de hoje.

terça-feira, 4 de setembro de 2018

Maurício Manieri - Te quero tanto remix (Single promocional - Item de colecionador)

Capa

"Tchuirirá tchuirá
Te quero tanto
Tchuirá, oh meu amor...."

O sucesso do álbum “A noite inteira”, do cantor Mauricio Manieri, fez com que o refrão romântico da música Te quero tanto ganhasse destaque, e dessa forma, acabou sendo repaginada para agitar o público nos programas de rádio e nas pistas de dança pelo país.
Contracapa

A verdade é que MM proporcionou uma textura pop muito interessante na música popular brasileira, ao mesclar canções românticas e dançantes de forma equilibrada, o que ampliou a lista de fãs e admiradores do cantor. Em 2000, a gravadora Abril Music distribuiu de forma promocional, o single da canção “Te quero tanto”, que registra um ótimo remix editado para tocar em programas de rádio, e, o mesmo remix um pouco mais longo, para agitar algumas festas, onde a versão poderia ser encaixada no playlist, de acordo com o público presente.

O remix foi produzido por Igor Arthuzo.

O single possui as seguintes versões: 

1- Te Quero Tanto (Manieri's Arthuzo Big Beat Mix - Radio Version) 3´41
2- Te Quero Tanto (Manieri's Arthuzo Big Beat Mix - Extended Version) 4´54
3- Te Quero Tanto (álbum version) 3´57
CD

* Agradecimento especial ao Dj Werick Canellas por ter disponibilizados as imagens do single, para ilustra a postagem de hoje.

** O single não foi editado em vinil.

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Compartilhamento x confusão

Em 10 anos de atividades e disponibilizando informações, de forma simples e objetiva, sobre alguns remixes de artistas brasileiros, hoje recebemos nossa primeira notificação de direitos autorais. Na verdade, a equipe do blog não entendeu a reclamação, porque não compartilhamos musicas ou downloadings. Nós divulgamos uma coisa, mas não temos culpa se alguns internautas entendem outra. Enfim...

Especialistas observam que a interpretação de texto nas aulas de português não é muito praticada no Brasil, onde a lógica parece ser ignorada pela teoria. O que existe na prática é que alguns remixes foram localizados no Youtube, e, esporadicamente, os links para os internautas ouvirem as músicas, foram disponibilizados pelo blog no formato de streaming. Mas, isso não significa fazer downloading!!!!

Porém, os internautas podem ficar tranquilos que “os poucos links direcionados ao Youtube foram todos retirados”. Agora, quem quiser ouvir o remix, deverá procurar item por item no Youtube. Algumas pessoas poderão não gostar de nossas resenhas, opiniões e avaliações a respeito dos remixes. Mas em nenhuma parte do blog está escrito que somos "Deuses da justiça da música brasileira!"

Diretamente relacionado "à queixa de direitos autorais", entendemos que deve ter algum artista, fã, internauta recalcado ou colecionador que:

- Ou está confundindo audição de streaming com downloading de arquivo,

- Ou alguém está com vergonha do remix e quer tumultuar o blog para que ninguém fale nada a respeito.

- Ou alguém está com ciúme do blog Brasilremixes,
(a equipe entende que essa alternativa seja a mais provável) pois a ciumeira de não possuir o remix desejado alimenta o ego daqueles que fazem uma superprojeção sobre as coisas e querem tumultuar ou esconder para que ninguém saiba e fale a respeito..

O pior de tudo, é que o remix que foi reclamado é de um artista lá dos anos 80, de uma postagem feita em 2012 de uma musiquinha legal, mas que foi esquecida e nem toca mais nas rádios brasileiras......Enfim,

Na barra lateral direita do blog, está um aviso que não compartilhamos downloading.

Ateciosamente

Equipe do Brasilremixes

domingo, 19 de agosto de 2018

Hollywood rock by.... + remix (vários compilação promocional raridade)

Capa

Os leitores do blog Brasilremixes, em algum momento, poderão; (veja bem), poderão pensar que é muito fácil ouvir os remixes e dizer que eles são bons ou ruins, e que está tudo resolvido. Entretanto, a realidade não é tão simples quanto supomos que seja. A equipe do blog tenta ser mais objetiva possível, até porque são poucos os leitores que possuem paciência para fazer uma leitura interpretativa adequada para cada assunto.

Então, procuramos nos expressar de forma direta e esclarecedora a respeito dos remixes apresentados pelo blog. Hoje, localizamos uma compilação - que por uma lei do universo desconhecido - acabou caindo em nossas mãos como um passe de mágica; mas na realidade, é fruto da perseverança e do faro investigativo de nossa equipe. Para a surpresa de todos, não se trata de uma coletânea convencional com músicas açucaradas, que entopem os charts  radiofônicos de norte a sul do Brasil.

Muito pelo contrário, as canções incluídas na compilação estão mais voltadas ao conceito experimental. Aliás, diríamos bemmmmm experimental, para os padrões musicais brasileiros. Os remixes não são direcionados para os clubs, para os bailes, para as raves, programas de rádio ou festas em geral. As versões poderão agradar ou não aos colecionadores e fãs. Mas, pra quem procura e gosta de remixes dance-dance-dance, pode tirar a cavalaria inteira da chuva, porque infelizmente não há nada de dance nessa compilação.

Apesar da maioria das canções terem sido produzidas pelo respeitado produtor Liminha, o resultado e a seleção musical pode passar a impressão de que foi produzida às pressas, para atender a uma jogada de marketing, direcionada a um público específico. Também pudera, a compilação Hollywood rock by... de uso exclusivamente promocional, foi distribuída em 1995, pela gravadora Sony, durante a realização de um festival chamado Hollywood Rock. O CD registra diversas canções de seis artistas brasileiros que estavam em evidência naquele momento. São Eles: Skank, Cidade Negra, Barão Vervelho, Raimundos, Lulu Santos, Gilberto Gil e Chico Science. 
Contracapa

Olhando com atenção para o mercado internacional (Europa + USA), o conceito dos remixes utilizado nas canções de artistas e bandas similares aos que aparecem na compilação, é normal. Então, não há nada que possa ser considerado estranho, mas sim, diferente do costume 'de remixes dançantes" que o público adora. 

A compilação possui as seguintes canções:

1- Gilberto Gil – Guerra santa (versão original)
2- Barão Vermelho – Beijo exagerado (versão original)
3- Skank – A cerca (Pulso sonic jungle remix)
4- Lulu santos – Outras palavras (versão original)
5- Cidade Negra – Minha Irmã (Remix)
6- Chico Science & Nação Zumi – Manguetown (versão original)
7- Raimundos – O pão da minha prima (Remix)
8- Cidade Negra – Money in my pocket (remix)
9-Skank – A cerca (radical jungle remix)
CD

* Com exceção da música "Guerra santa" do cantor Gilberto Gil, não há informações sobre o lançamento de singles promocionais individuais com remix das outras melodias. Como também, não há registro que a compilação tenha sido editada em vinil.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Max de Castro - Nego do cabelo bom remix / Mais uma vez (single promocional)

Imagem do single sem encarte

Na última semana, a equipe do blog Brasilremixes fez a audição do single promocional do cantor Max de Castro, que apresenta duas canções, Nego do cabelo bom e Mais uma vez, um amor. As músicas foram lançadas originalmente no álbum Orquestra Klaxon, em 2002, pela gravadora TRAMA.

Utilizando um efeito eletrônico conhecido como “vocoder” a música “Nego do cabelo bom” é ótima para quem gosta de uma vibe musical sustentada pelos acordes do R&B. Entretanto, o remix não é indicado para "causar", nas pistas de dança nos clubes mais famosos do Brasil. O single registra quatro versões (Extended,  remix instrumental, remix radio + a versão original).

Aproveitando a ocasião, o single também disponibiliza a faixa “Mais uma vez, um amor”, na versão original e Extended. Ambas, apresentam uma estrutura melódica fortemente moldada pelo Drum´n´bass.

O single contém as seguintes faixas:

1- O Nego Do Cabelo Bom (Extended Version) 4:51
2- O Nego Do Cabelo Bom (Remix Radio Edit)  3:53
3- O Nego Do Cabelo Bom (Album Version) 5:12
4- Mais Uma Vez, Um Amor (Extended Version) 7:47
5- Mais Uma Vez, Um Amor (Album Version) 4:31
6- O Nego Do Cabelo Bom (Remix Instrumental) 4:49

* Não há informação que o single tenha sido editado em vinil 12”.

** Na sequência podemos ver a capa do álbum Orquestra Klaxon.
Capa

*** Agradecimento especial ao Dj Werick Canellas por ter disponibilizado as imagens para ilustrar a postagem de hoje.