terça-feira, 28 de junho de 2011

Marina Lima - O Chamado (Box edição especial para colecionadores)

Marina Lima Cd box 

Este Cd álbum não se trata de um remix! Digamos que seja um presente meu para os leitores do blog e fãs da cantora Marina Lima. Afinal, além de postar informações sobre singles e CDs com remixes de diversos DJs e artistas brasileiros, na medida do possível, também serão postados pelo blog (para aguçar a felicidade de colecionadores) edições especiais e raras sobre o trabalho de alguns desses artistas. Dizem os internautas, que não há nada tão gratificante quanto receber boas surpresas ao navegar pela internet e se deparar com coisas muito interessantes. Pois bem, descobrir essa raridade não foi uma tarefa fácil. Confesso que fui pego de surpresa e essa edição especial (rara) quase passou despercebido. Mas vamos ao que importa. 

Este Box é uma edição especial feita para promover o lançamento do cd “O Chamado” da Cantora Marina Lima em 1994. Especialistas afirmam que existem apenas 500 unidades dessa edição. Porém, os mais céticos nos revelam que possivelmente tenham sido confeccionadas somente 100 cópias, dado o alto custo de produção e a falta de mão-de-obra especializada no Brasil para fazer o trabalho de confecção do Cd.  Dessa forma, há quem entenda que naquela época, essa edição especial tenha sido produzida fora do país. Nas imagens seguintes você pode ver os detalhes do Cd box.

01 box estilizado (caixa de papel)
01 Cd "O chamado"
02 adesivos: Um com a imagem da capa do Cd e o outro com os dizeres: "Arriscar e amar até o fim."
04 cartões (cards) coloridos que formam de um lado a imagem da cantora e do outro estão pensamentos, frases e poesias escritas em português e em inglês. por Marina Lima, Antônio Cícero, Alvil L. e Pat MacDonald.
Capa
Cards frente
Cards verso
Box com Cd
Box + Cd + adesivos

* Infelizmente, este CD box não foi comercializado ao grande público. Trata-se de uma edição promocional dentro de um trabalho de marketing para presentear proprietários e locutores de emissoras de rádio, jornalistas, críticos musicais, publicitários, produtores e apresentadores de programas de TV, entre outros. Esse tipo de produto é muito comum no mercado internacional. Independente do artista ou de estilo musical, várias edições especiais de álbuns de diversos artistas são lançados anualmente. Quer dizer, não apenas distribuídos de forma escondida para meia dúzia de pessoas e sim, comercializados ao público em geral. Claro, tudo tem o seu preço. Mas ao menos está a disposição das pessoas terem a oportunidade para visualizar. Compra quem quiser ou quem puder. Não se trata de capitalismo ou socialismo, mas de presentear o público e os fãs com um produto diferenciado. Já imaginou se todo mundo tivesse que utilizar uniforme?!!! E a criatividade artística?

quarta-feira, 22 de junho de 2011

kid Abelha - Como é que eu vou embora (single remixes) promocional

Capa

Ao pensar em poprock com a utilização de saxofone, sem dúvida alguma você irá se lembrar das musicas do Kid Abelha. A combinação e harmonia dos instrumentos é marca registrada da banda. Nada ou quase nada na música brasileira é tão peculiar quanto a vibração musical desse grupo, também conhecido pelo nome de Kid Abelha e os Abóboras Selvagens. Em 1996 a banda lançou o álbum chamado Meu mundo gira em torno de você. Neste trabalho são apresentadas 12 canções e entre elas está a música Como é que eu vou embora que é o tema deste cd single promocional de rádio com remixes lançado pela gravadora WEA.  



Este single apresenta os seguintes remixes:

1- Pop Dreams Radio Edit  3 ´54 **

Análise: Remix poprock ideal para rádios FMs, festas de aniversário, festas em família com todo mundo fazendo passinho e sorrindo para câmera fotográfica. Um remix produzido por DJ Cuca para ser tocado muito, mas muito longe das pistas e dos Clubs.

2- Crossover Radio Edit  3 ´52

Análise: Já falei que tenho medo de alguns remixes produzidos por Dj Cuca. E esse remix é um deles. Respeito a criatividade e a concepção, mas o resultado final ficou estranho. O remix não é dançante, não é house, não é funk carioca, não é acid house, enfim. É uma mistura de tudo e ao mesmo tempo não é nada. Apenas mais uma versão. Pena. Vale pelo registro da época. Hoje não toca mais.

3- Pop Extended Mix 4´40

Análise: A música foi um grande sucesso da banda, mas esse remix poprock também produzido por DJ Cuca segue uma linha poprock básica previsível. Mesmo sendo lançado na década de 90, esse tipo de remix não tocava nos clubs. Hoje então, virou coisa do passado!

4- Crossover Extended Mix 4 ´54 **

Análise: Esse remix é igual ao remix apresentado na segunda faixa do Cd, mas essa versão é mais longa. Por isso se chama extended.

5- Pop Instrumental Mix 4 ´40

Análise: Essa faixa não é um remix, mas apenas a versão instrumental do remix chamado pop dreams mix.

6- Crossover Instrumental Mix 4 ´40

Análise: Essa faixa também não é um remix, mas apenas a versão instrumental do remix chamado Crossover extended mix.

7- Álbum version 3´44

Análise: Essa música não se trata de um remix, mas apenas a versão original igual a versão lançada no Cd álbum. 


 
















CD

** Duas versões remixadas deste single aparecem em outro Cd single de remixes oficialmente lançado (os fãs agradecem!!!) pela banda em 1997.

** Outras duas versões remixadas deste single também foram lançadas oficialmente em edição especial com "bônus cd" para o álbum chamado "Meu mundo gira em torno de você"

*** Logo abaixo disponibilizamos as imagens de capa do Cd single promocional simples - trazendo apenas a canção original - que  também foi distribuído para rádios e Djs na época de lançamento do álbum.



*  Infelizmente, o Cd single com remixes postado hoje não é mostrado e nem comentado no site oficial da banda. Também não há informações de que estes remixes tenham sido lançados em vinil.



domingo, 12 de junho de 2011

Cazuza - Remixes


Capa
O cantor Cazuza merecia um tratamento melhor no que se refere aos remixes de suas musicas diante do resultado final apresentado no álbum Cazuza- Remixes. Mas o que salva é saber que a qualquer momento é possível fazer novos remixes para suas canções, que agitaram toda uma geração na década de 80. A morte de Cazuza em decorrência da AIDS mostra um lado negro de alguns artistas, que infelizmente não tomam ou não tomaram os cuidados necessários com sua própria saúde. Espiritualmente falando, Cazuza pode ser visto como um suicida. Ou seja, partindo do princípio de que a doutrina espírita seja verdadeira, ela explica que todo mundo que não cuida de sua saúde e que acaba morrendo em razão de um exagero é visto como suicida.  Enfim, mas voltando aos remixes, este álbum foi lançado em 1998 pela gravadora Polygram. Possui 14 faixas remexidas ou quase isso. Entre as versões apresentadas nem todas deveriam se chamar de remix. Mas por enquanto é o que se tem. 

1 - Bete balanço  (Hitmakers Funky Edit)  3´53

Análise: Essa música dispensa apresentações. Trata-se de um clássico no poprock brasileiro da década de 80. Poderia ter sido feito um outro tipo de remix, porém na área de remixes existe um dado interessante para saber. Ou seja, não é bem assim remexer uma melodia e jogar na cara do público. É preciso respeitar alguns critérios musicais. Existem remixes mais sérios, remixes com um estilo mais lúdico, outros remixes descartáveis, remixes modistas, remixes adolescentes, remixes adultos, etc. A música Bete Balanço tem uma levada maliciosa com uma atmosfera séria. Dessa forma, os produtores podem até brincar com a melodia, porém ela exige um remix mais sério do que necessariamente um remix com influências lúdicas, por exemplo. Essa versão foi produzida por Rodrigo Kuster, Fabio Tabach e Luis Carlos para Hitmakers Music e foi chamada de Hitmakers Funky Edit. Tocou em muitos programas de rádio e até em algumas danceterias. Tem uma ótima levada poprock, mas um tanto moderada para o dancefloor. Remix ideal para os fãs da primeira fase do Barão Vermelho.

2 – Ideologia (Cuca House Edit)  4´10

Análise: ...Ideologia, eu quero um remix pra viver......Brincadeiras à parte,  infelizmente essa versão não tocou tanto quanto merecia. Ás vezes eu tenho um pouco de receio dos remixes produzidos pelo DJ Cuca. Porém confesso que em outros momentos ele consegue surpreender. E essa versão é show de bola! 100% dance club com todas as luzes e as palmas necessárias para incendiar a pista com influências do house quase progressivo e sua pegada arrebatadora para deixar a galera tonta com gostinho de quer mais! O remix foi muito bem masterizado. Sem dúvida um dos melhores remixes do álbum pra quem gostar de dançar! Recomendo!!!

3 – O tempo não para (Hitmakers Don´t Stop Edit)  4´06

Análise: Esse remix mantém o estilo poprock da versão original com levada funk e até influências do soul e hip hop. Ideal para FMs,  mas longe das pistas.

Atenção: Não confunda Funk com o Funk Carioca!!!! São duas coisas bem diferentes!!!

4 – Exagerado´( 98)  3´47

Análise: Essa versão é fraca e um tanto confusa. Produzida por Alessandro Tausz e Fábio Cárdia a impressão que há é de que as bases da versão original estão tocando e sobre elas foram adicionados outros instrumentos musicais para dizer que era um remix. Só isso! De fato é um remix. Mas não convence! Querem vender gato por lebre. A não ser que seja proposital!

5 – Codinome beija-flor (Hitmakers Black Edit)  3´32

Análise: Ótimo remix, manteve o clima da versão original com influências da Black music, utilizou o sample da canção “La vie in Rose” de Grace Jones e adicionou uma camada de teclados trancedentais para harmonizar ainda mais a canção. Produzido por Hitmakers. Versão muito boa para lounges e bares com apelo romântico.






















6 – Por que a gente é assim? (G-vô e E-A.W.Remix) 4´23

Análise: Remix básico sem criatividade ao estilo poprock. Produzido por Paulo Jeveaux e André Werneck, essa versão não tem apelo super-dançante, infelizmente. Fica apenas o registro.

7- Faz parte do meu show (Hitmakers Drum n´bass Edit) 2´52

Análise: Essa versão é uma delícia! Produzida por Hitmakers, manteve a base original suave e tranqüila da canção adicionando apenas uma modernosa levada eletrônica de Drum n´bass. Os produtores devem ter utilizado algum sample de bateria de Drum n´bass de algum artista internacional porque a bateria utilizada nessa versão não é o tipo de bateria eletrônica geralmente utilizada por artistas brasileiros. Remix clássico e sempre bem vindo!

Os: Se essa versão é editada, onde está a versão longa? Desculpe, mas ainda não encontramos. Talvez em algum cd promocional perdido por ai! Vai saber...


8- O nosso amor a gente inventa (Estória romântica) (Digital Track´s DJs Radio) 3´35

Análise: Alguém poderia jurar que esse remix é a cara do Kid Abelha na década de 80! Essa versão é 100% estilo pop para tocar em FMs da vida e bem longe de qualquer pista de dança. Não é house, não é funk carioca, não é rock, não é dance, enfim. Parece um remix para preencher espaço! Produzida por Wallace DJ, a versão tem influências da Black music em um país que está voltado mais para os ritmos africanos do que para os ritmos da Black music americana. O problema é que essa versão não toca em nenhum lugar. Vale pelo registro, apenas.

9- Brasil (Hitmakers radio Edit) 3 ´43

Análise: A letra da música é ótima, mas a melodia do remix não apresenta nenhuma novidade, infelizmente. Poprock e mais poprock. Essa versão nem deveria ser chamada de remix! As vezes me pergunto:  Será que Cazuza autorizaria determinados remixes para seu álbum? Mas por outro lado, penso que talvez nem o próprio Cazuza tinha conhecimento sobre a essência do remix. Talvez ele e parte da galera que estava ao seu redor conhecesse apenas os remixes de Freddie Mercury ou das musicas da Madonna! Enfim, nunca vamos saber.

10- Maior abandonado (Tausz Groove Mix) 3´39

Análise: Remix produzido por Alessandro Tausz com estilo house e sample da canção “Let´s Groove” da banda Earth Wind and Fire. Além disso, o acompanhamento musical que utiliza um timbre de sintetizador lembrando a Ítalo House no fim da década de oitenta não combinou com a versão, mesmo que tenha sido apenas uma homenagem. Para piorar, o remix não empolga a galera do dancefloor. Fique com a versão original.

Encarte















11- Pro dia nascer feliz (Hitmakers Club Edit) 4 ´01

Análise: Quando ouço esse remix entendo quando alguns roqueiros se queixam dizendo que a música foi estragada. Esse remix é tudo de ruim! Sem dúvida esse clássico do rock da década de 80 merecia algo mais festivo! Essa versão sofrível começa ruim com um efeito eletrônico de apito idiota e termina de repente sem dizer adeus. Desperdício! Que pena!

12- Bete balanço (Hitmakers Funky Mix) 4´07

Análise: Um detalhe precisa ser esclarecido para a população. Ou você faz um remix para tocar no rádio ou você faz um remix para tocar na pista. Porque misturar os dois não dá certo e o resultado fica pela metade. Responda rápido: Qual é a diferença entre 3:53 min e 4:07 min? Para com isso!!!  Quatorze segundos não é nada! Não adianta diminuir 14 segundos de uma música apenas para diferenciar a versão longa da versão curta como ocorreu neste remix. Na prática essa versão é igual a primeira faixa do CD já comentada neste post. Aqui tem cheiro de malandro querendo enganar a torcida!

13- Ideologia (Cuca´s 99´s Club Remix) 6´52

Análise: Remix igual a segunda faixa desse CD, porém mais longa. Ótima pegada para divertir a galera na pista. Também remixada pelo DJ Cuca. Recomendo!!

14 – Exagerado (Dance Mix) 4 ´07

Análise: Esse remix é uma vergonha!!! Essa versão produzida por Nino Carlo e Rodrigo Kuster é horrível e a faixa ainda recebe o nome de historic mix!! Pelo amor de Deus, não sei onde estavam com a cabeça e com o corpo quando produziram tamanha bizarrice! Esse remix deveria ser banido desse CD e da história musical de Cazuza e dos remixes nacionais. Lamento! Tecladinho euro dance de quinta categoria, bateria pingue-pongue terrível, harmonia musical que não serve nem para divertir a garotada de cinco anos nas festinhas de aniversário com o palhaço Bozo! Nem a Xuxa, fez um remix tão ruim! Fora!!!

Contra capa








CD

domingo, 5 de junho de 2011

DJ Mau Mau – Arts, Plugs and soul (CD álbum)

Capa principal























Este álbum foi produzido pelo DJ Mau Mau, também conhecido por Maurício Souza. Não se trata de um cd de remixes, mas de um álbum com musicas eletrônicas produzido por um brasileiro.
Porém, mesmo estando em  2010, (por enquanto no Brasil) ainda não há um grande público consumidor da estética musical eletrônica. Isso ocorre por vários motivos: Interesse, tecnologia, conhecimento, confusão musical, consciência, reflexão, medo, escravidão a estilos musicais do passado, falta de noção, entre outros.
Encarte 1









Encarte  2












Encarte 3















Arts, plugs and soul   registra a existência de uma concepção musical "electro-tupiniquim" no meio de quase nada. Digo, no meio de quase nada de forma provocativa. Até porque do jeito que as coisas andam no Brasil, até a Amazônia corre sério risco de ser toda destruída! Restando quase nada para as futuras gerações!  Dúvida??? Cuidado! Não coloque a mão no fogo em nome de outras pessoas pensando que todo mundo é querido e honesto. Milhares de árvores desmatadas na floresta amazônica não servem apenas para gerar emprego e sustentar as famílias. Mas grande parte da riqueza adquirida pela destruição da mata, vai parar no bolso de meia dúzia de medalhões para sustentar uma vida repleta de vaidades e libertinagens. E nem vou entrar em maiores detalhes porque algumas pessoas são tão ingênuas que nem acreditariam na própria sombra!  Imagine se eu continuasse a falar sobre esse assunto! Enfim.
Outra parte do encarte do C
Arts, plugs and soul é um álbum de música eletrônica bem interessante e possui doze faixas normais, acompanhadas de quatro músicas exclusivas (remixes) em MP3 para rodarem no computador. Lançado em 2006 pela gravadora Trama, todas as melodias não seguem um conceito obrigatoriamente dançante, mesmo que tenham sido feitas sob a estética eletrônica. O álbum apresenta influências musicais variadas entre o ambient, o dub, o future jazz e o techno. Para ouvidos mais exigentes é possível observar uma linguagem musical com referências ao Future Sound of London, Underworld, Aphex Twin, 808 State e até do alemão Sven Vath. Não se trata de um Cd para ser escutado de repente. É preciso ter conhecimento de música eletrônica básica, ao menos. Esse é outro grave problema no Brasil. Quando muitas pessoas falam em música eletrônica elas pensam em Village People, mas Village People não é música eletrônica!! Village People é disco music!! Enfim, existem pessoas preconceituosas porque é bastante cômodo para elas permanecerem assim. Mas é preciso ter cuidado para não se tornar uma pessoa velha dentro de conhecimentos bizarros e ultrapassados!

Este Cd possui as seguintes músicas:

1- Um Novo

2- Perfect Blur

3- Hipjazz

4- That´s It  

5- See me

6- Choro Ritual

7- 9997

8 – Another Time

9- Globalization

10- Destruição

11- How to Find

12- Exotika 

Bonus tracks em MP3 (remixes) para computador

13 - Sebastian

14- Future Attrations

15- Dance Floor

16- 3 Lovers

contra-capa do CD















CD









* Até o momento não há informações de que este álbum tenha sido editado em vinil.